segunda-feira, 4 de maio de 2015

O PT E O DIÁLOGO INTERAMERICANO

                                                                                                                         
Marcos Coimbra, Professor Titular de Economia junto à Univesidade Candido Mendes e Conselheiro da ESG
                  
O Diálogo Interamericano foi fundado em 1982, por iniciativa do banqueiro David Rockefeller. Seu endereço, à época,  era: 1333 New Hampshire Avenue, N. W.- suite 1070-Washington, D. C. -20.036 (telefone: 202-466-6410). É composto por cidadãos oriundos dos EUA, Canadá,  México,  América do Sul  e Caribe. Seus dois objetivos  principais são: a) propiciar um significativo canal não governamental de comunicação entre líderes das Américas; b) providenciar análise substancial e propostas de políticas específicas, com o objetivo de resolver problemas regionais cruciais. Tudo isto dentro do receituário neoliberal, preconizando o fortalecimento das entidades de direitos humanos, o enfraquecimento das Forças Armadas, a necessidade de garantir o pagamento das dívidas externas e privatização de empresas estatais para abater  dívidas e a questão das drogas, em especial no que afeta ao Poder Nacional dos EUA.

Suas principais fontes de financiamento  são as Fundações Ford, Rockefeller, MacArthur, a corporação Carnegie e outras. No ano de 1988, houve uma reunião ampla,  já acrescida de novos membros, em Washington, quando então foram acordadas as políticas e  estratégias a serem adotadas para domínio da América Latina e do Caribe, de onde surgiu a expressão “Consenso de Washington”, porém do qual resultou , por escrito, apenas um documento modesto,  informando sua realização, sem entrar em pormenores, em função da gravidade dos assuntos tratados e da necessidade de sigilo. Não é por acaso que o instituto da reeleição foi implementado na Argentina, no Peru e no Brasil, nem  a nomeação de integrantes desta “seleta” elite para cargos de importância  em seus respectivos países, bem como a padronização caracterizada pela subordinação das medidas econômicas de todos os países ao FMI, pela elevada taxa de juros, pelo  brutal endividamento externo e interno,  pela tentativa de “dolarização” das economias, pela pressão para implantar o “currency board”, pelo fortalecimento das ONG’s (vide o "Viva Rio" no Brasil, que orienta a política de segurança pública do país)  e das comissões de “direitos humanos” (vide o papel desempenhado pelo secretário nacional de direitos humanos, Sr. José Gregori), pelo desarmamento da população ( vide projeto encaminhado ao Congresso pelo Presidente FHC),  pela venda por “tostões” das jóias da coroa, pela cumplicidade da grande imprensa, pela entrega de setores vitais e estratégicos  dos respectivos países a empresas  estrangeiras, algumas até estatais, pela pressão para  incorporação do Mercosul  à ALCA .
                  
 Possuía, em 1988, setenta  fundadores, dentre os quais destacamos: a) Brasil- Sr. Fernando Henrique Cardoso- ex-presidente do CEBRAP; Sr. Celso Lafer, Ministro do Desenvolvimento; Sr. Roberto Civita, Presidente da Editora Abril. Mais tarde entrou o Sr. Luiz Inácio Lula da Silva, Ex-candidato à Presidência; b) EUA- Sr. Albert Fishlow- Departamento de Economia da Universidade da Califórnia (Berkeley); Sr. Cyrus Vance- Ex-Secretário de Estado; Sr. Robert McNamara- Ex-Secretário de Defesa; Sr. Abraham Lowenthal- Diretor Executivo do Diálogo e Professor da  Universidade da Califórnia; Sr. Peter Hakim- atual Presidente do Diálogo. Encontramos ainda figuras de proa de praticamente todos os países da América do Sul, como o  Sr. Raúl Affonsin, Ex-Presidente da Argentina, o  Sr.  Mario Vargas Llosa, Ex-candidato à Presidência do Peru, o Sr. Enrique Iglesias, Presidente do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Sr. Júlio Maria Sanguinetti, Presidente atual do Uruguai,  mas licenciado do Diálogo, em função de suas atuais funções. Como podem os leitores perceber, é uma amostra significativa. Todos estes dados podem ser encontrados na Biblioteca do Congresso dos EUA, livremente, numa publicação com mais de 50 páginas, datada de 28 de abril de 1988- “The Americas in 1988: A Time for Choices”.

O aparentemente incompreensível, nesta lista de membros do Diálogo, é a presença  do Sr. Luís Inácio Lula da Silva, Presidente de Honra do PT, que freqüentemente ataca a "política" empreendida pelo Presidente FHC, a qual nada mais é do que o fiel cumprimento das normas ditadas justamente pelos "donos do mundo", através da Trilateral, do Diálogo Interamericano e  do Consenso de Washington. Afinal, o Presidente FHC e o Sr. Lula assinaram o mesmo documento, concordando assim com sua execução. Como pode o Presidente de Honra do PT, então, atacar estas ações de submissão, de entreguismo explícito, de subserviência incondicional, às quais formalmente aderiu, com sua assinatura? Qual é a verdadeira posição do Sr. Lula? Concorda ou não com o receituário neoliberal? Caso negativo, deve redimir-se imediatamente, reconhecendo o erro cometido e mandando retirar sua assinatura de adesão. Caso positivo, o PT fica devendo uma explicação ao povo brasileiro. De fato, é um partido de oposição ou apenas realiza um jogo de cena fingindo ser do contra, mas compactuando com a destruição do país, tão bem denunciada por brasileiros do porte de um Barbosa Lima Sobrinho?

Correio eletrônico: mcoimbra@antares.com.br

http://www.brasilsoberano.com.br/

Nenhum comentário:

Postar um comentário